Follow by Email

Total de visualizações de página

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Promoção por Mérito e Outras Noticias



Era brincadeira, diz acusado – Agora A6 -16/04/2016
 

Web

Gaviões da Fiel protesta contra Máfia da Merenda em SP – Esporte ao Minuto

Era brincadeira, diz defesa de suspeito da máfia da merenda sobre foto – Jornal Floripa


terça-feira, 12 de abril de 2016

Professores de São Paulo podem parar no dia 29 de abril

09/04/2016

Professores de São Paulo podem parar no dia 29 de abril

Folha de S.Paulo
Os professores da rede estadual podem começar uma greve no dia 29 de abril.
Em assembleia realizada ontem pela Apeoesp (sindicato dos professores), a categoria decidiu entrar em estado de greve pelo reajuste salarial.
O sindicato marcou uma nova assembleia para o próximo dia 29, quando votará pelo início ou não de uma paralisação.
Desde julho de 2014, quando foi dado o último reajuste para os funcionários da Educação, a inflação soma 16,6%, índice pedido pelos professores.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Pagamento Bônus 2016

07/04/2016

Maioria receberá até R$ 2.000 de Bônus da Educação

Cristiane Gercina
do Agora
O Estado vai pagar até R$ 2.000 de Bônus da Educação para 60% dos servidores das escolas que melhoraram o desempenho no Idesp (índice da educação) entre 2014 e 2015.
Esse percentual representa um total de 132,6 mil profissionais.
Ao todo, 223,8 mil servidores terão direito à bonificação, que cairá na conta até o dia 15 deste mês.
Desse total, 61,9 mil receberão até R$ 1.000 e 70,7 mil ganharão entre R$ 1.000 e R$ 2.000.
Outros 46,6 mil receberão até R$ 3.000 e os demais, 44,4 mil, ganharão acima desse valor.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Bônus Professores 2016

Secretário diz que bônus a professor será pago na 1ª quinzena de abril

35 mil funcionários não receberão bônus, segundo o secretário.

Gabriela GonçalvesDo G1 São Paulo
Secretário da Educação, José Renato Nalini (Foto: Gabriela Gonçalves/G1)Secretário da Educação, José Renato Nalini (Foto: Gabriela Gonçalves/G1)
O secretário da Educação, José Renato Nalini, afirmou nesta sexta-feira (1º) que o bônus por mérito aos professores será pago ainda na primeira quinzena de abril. Ainda segundo o secretário, 35 mil funcionários não receberão o bônus. 
"São Paulo fez o sacrifício possível para honrar seu compromisso", afirmou Nalini. O benefício será pago a  223.875 servidores, sendo somente 179.162 professores.
O secretário afirmou ainda que haverá reajuste para quem ganha o piso salarial.
Bônus
A Secretaria Estadual da Educação afirmou, na quinta-feira (31), que uma enquete realizada pela intranet na pasta entre os dias 29 e 31 de março indicou que 92,6% dos servidores preferem receber bonificação em vez de aumento salarial de 2,5%. Outros 6,7% optaram pelo reajuste. A enquete foi realizada com 44 mil profissionais da educação, sem intermédio dos sindicatos, segundo o governo. Participaram  servidores da capital, região metropolitana e interior paulista.
Segundo o governador Geraldo Alckmin, o pagamento do bônus extinguiria o reajuste neste momento.  “O reajuste neste momento não haverá, pois esta é uma discussão sempre no mês de julho”, disse o Alckmin.
Dois terços dos profissionais da educação vão receber o bônus por mérito, que é calculado com base no Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo, (Idesp) e o Saresp (prova aplicada para português e matemática) ambos coletivos, e também a frequência do professor na escola.
Segundo Alckmin, houve melhora no índice e por isso para o governador a educação de São Paulo melhorou. “Este é um trabalho bem feito de meritocracia positiva, e como os indicadores de educação de São Paulo melhoraram muito, 67% dos funcionários e professores vão receber o bônus integral”, disse o governador.
Em nota enviada ao G1 na terça-feira (29), a Secretaria de Educação afirmou que os critérios para a definição dos valores  de bônus "são o desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo (Idesp) e o número de faltas, excluindo ausências decorrentes de licença-maternidade, licença-paternidade, adoção e férias, além do tempo de atuação na rede estadual dos funcionários do quadro de magistério, do quadro de apoio escolar e do quadro de serviço, incluindo diretores, professores, educadores e equipes escolares".
Apeoesp
A presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, disse que a entidade sempre criticou o pagamento de bônus, mas não esperava que a proposta fosse de um reajuste tão baixo quanto 2,5%. Ela defende que o governo pague a inflação do período desde o último reajuste, em 2014.

Bônus Professores

O Secretario da Educação anunciou que o Bônus será pagao na primeira quinzena de abril.
Aguardemos.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Não Teremos Bônus

De novo regras mudam aos 45 do segundo tempo: Não teremos bônus.

http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/bonus-da-educacao-sera-revertido-em-reajuste-salarial-para-400-mil-funcionarios-e-aposentados

Bônus 2016 Professores SP

OLhem o que está no Site da UDEMO:
Bônus e Percentual
O Governador enviará à Assembleia Legislativa projeto de lei complementar - em caráter excepcional e de urgência - suspendendo o pagamento do bônus deste ano econvertendo o montante de recursos desse benefício em um reajuste linear para todo o magistério, incluindo os aposentados. Nesse cálculo, o reajuste linear será de 2,5%, a partir de abril. No segundo semestre – setembro – poderá haver um novo reajuste, dependendo de uma série de fatores, sendo um deles a extinção da prova de mérito.
Os argumentos do governo para transformar os recursos financeiros do bônus em reajuste linear são vários, dos quais destacamos:
  1. Todas as entidades da educação – sem exceção – sempre foram contra o bônus – e a prova de mérito - desde a sua implantação, e a favor da conversão dos valores em reajuste salarial linear, para incluir os aposentados.
  2. O bônus discrimina os aposentados, sem chance de obtenção da sua extensão via ação judicial;
  3. Não se pode falar em “incentivo à melhoria do trabalho”, via bônus, quando os salários não estão minimamente equacionados;
  4. A política de bônus não trouxe a melhoria esperada na rede pública, até porque trata-se de uma política equivocada;
  5. Houve uma divisão nítida, e indesejável, na rede entre escolas e profissionais com bônus e os sem bônus; os com bônus maior e os com bônus menor.
Cabe esclarecer, ainda, que a supressão do bônus, neste ano, em caráter excepcional, e a sua conversão em reajuste linear, não foi iniciativa de nenhuma entidade mas sim da Secretaria da Educação.
Cabe às entidades, agora, deliberar como vão encaminhar essa questão, nas suas bases e junto à Assembleia Legislativa.
Fonte: UDEMO.